Casal é preso por suspeita de tortura a sobrinho de 1 ano e 5 meses

Eles irão responder ainda pelos crimes de maus tratos e tentativa de homicídio

0
310
tortura
O caso está sendo investigado pela Delegacia da Mulher de Caraguatatuba (Foto: Nova Imprensa)
- Publicidade -

Um casal de 35 anos, morador no bairro do Perequê-Mirim, na região Sul de Caraguatatuba, foi preso por suspeita de torturar seu sobrinho de apenas um ano e cinco meses.

- Publicidade -

A prisão temporária do casal foi decretada no início da semana, depois das investigações. Segundo a delegada titular da Delegacia da Mulher, Patrícia Casanova Crivochein, a mãe da criança, que é usuária de drogas, perdeu a guarda do bebê e de outro filho em Minas Gerais, que desde então passaram a morar com os tios.

Tortura

A situação veio à tona quando a criança foi hospitalizada em janeiro, na Casa de Saúde Stella Maris, com “um quadro grave de desnutrição e crostas de sujeira, resultado de diversos dias sem banho, traumatismo crânio-encefálico e fraturas consolidadas pelo corpo”, informou a delegada Patrícia.

Fraturas consolidadas, são aquelas que os ossos cicatrizaram e colaram. Após uma fratura, o osso leva, em geral, entre quatro e seis semanas para se consolidar, independentemente do tipo de tratamento aplicado.

A vítima apresentou ainda marcas nos punhos e tornozelos, “o que indica que a criança esteve amarrada”, explica a delegada.

Justificativa dos tios

O casal, que já havia sido denunciado ao Conselho Tutelar em outra ocasião, nega as acusações. Os dois teriam informado no hospital que o menino caiu do berço e se feriu. Porém, a história não convenceu e a polícia foi acionada. Os acusados respondem agora pelos crimes de maus tratos, tortura e tentativa de homicídio.

A vítima permaneceu internada mais de um mês e hoje está sob cuidados do Conselho Tutelar de Minas Gerais, assim como seu irmão.

Os três filhos do casal também foram recolhidos pelo Conselho Tutelar de Caraguatatuba.

- Publicidade -

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui