São Paulo vira 2° maior produtor de petróleo do País encabeçado por Ilhabela

São Sebastião e Caraguatatuba também entram na lista dos municípios que mais recebem royalties no Brasil
Campo de Sapinhoá impacta diretamente o Litoral Norte (Foto: Simon Townsley/ Divulgação)


Pela primeira vez na história o Estado de São Paulo chega à vice-liderança do ranking nacional de produção de petróleo, encabeçado pela cidade de Ilhabela. Além do arquipélago, os dez municípios que mais recebem royalties no Estado são São Sebastião, Caraguatatuba, Cubatão, Guararema, Bertioga, Ilha Comprida, Iguape, Praia Grande e São Vicente.

Com um volume de 344 mil barris de petróleo por dia durante o mês de julho, o Estado ultrapassou o Espírito Santo que produziu 295 mil barris e ficou atrás apenas do Rio de Janeiro com uma produção de 1,8 milhão de barris por dia. Além do óleo, desde o início de 2015 o Estado é o segundo maior produtor de gás natural do país com uma produção de 19 milhões de metros cúbicos dia.

A informação consta no Sumário Executivo de Petróleo e Gás divulgado nesta terça-feira (26), no site da Secretaria de Energia e Mineração.

“Em 2010 nossa produção era de 14 mil barris de petróleo por dia e ocupávamos apenas a sétima posição nacional. Com a descoberta do pré-sal na Bacia de Santos e início da exploração e produção, São Paulo se tornou um produtor relevante e as estimativas são positivas, o que consolidará o Estado como um importante produtor mundial”, destaca o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles.

Atualmente, três campos são responsáveis por 98% de toda a produção paulista. Sapinhoá representa 72% do petróleo retirado dos poços paulistas, seguido por Lapa com 16%, ambos no pré-sal, e Baúna com 10% localizado no pós-sal.

O Estado do Amazonas e da Bahia completam a lista dos cinco maiores produtores de petróleo e gás do país com uma produção de 110,8 mil e 79,2 mil barris de óleo equivalente por dia, respectivamente.

“Uma parada técnica programada na área do Parque das Baleias no Espírito Santo fez com que São Paulo assumisse a segunda posição, mas nossa expectativa é de que Estado ultrapasse 1 milhão de barris por dia e se mantenha como o segundo maior produtor de petróleo do Brasil”, explica o subsecretário de Petróleo e Gás do Governo do Estado, Dirceu Abrahão.

Cadeia produtiva de P&G

Devido a presença de quatro refinarias no Estado, que juntas são capazes de processar mais de 918 mil barris de petróleo por dia, aproximadamente 38% da capacidade de refino nacional, o Estado responde pela maior parte da carga processada do país e pela produção dos principais derivados de petróleo como gasolina, diesel, óleo combustível, GLP – gás liquefeito de petróleo, querosene de aviação, coque e nafta, que abastecem o mercado nacional.

Toda essa produção conta com uma extensa cadeia de fornecedores em São Paulo, responsável por mais de 40% da indústria nacional de fabricantes de equipamentos e prestadores de serviços para o setor.

Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário