Caraguatatuba é uma cidade de renda baixa, pagando em média, nos empregos formais, 2,5 salários mínimos, mas apenas 22% da população encontra-se ocupada. Com este rendimento a cidade posiciona-se como a 177ª cidade do Estado e 502ª no país no ranking de geração de renda. Estes dados são do IBGE e do SEADE para os anos de 2015 e 2016.

- Publicidade -

Outro dado importante, também das mesmas fontes e período, revela que Caraguatatuba participa com 0,14% do PIB no Estado, mas possui 0,26% da população. Nota-se aqui uma discrepância entre população e a capacidade de geração de renda. Além disso, apenas 1 em cada 5 pessoas encontram-se ocupada. Estes dois elementos justificam em parte a baixa renda da cidade.

A partir destas constatações, em 2018 os autores deste texto realizaram pesquisa junto aos moradores para compreender a percepção de luxo em uma cidade de renda baixa.

Os resultados permitem inferir que a percepção de luxo vem ao encontro do senso comum vinculado ao poder aquisitivo, o que envolve comprar o que se deseja, adquirir coisas caras e supérfluas, viagens e lazer.

No entanto, quando estimulados com temas específicos, o luxo é vinculado com qualidade de vida, mais tempo com a família ou amigos.

Outro achado importante mostra que para 71,9% o luxo, na visão dos caraguatatubenses, está associado a estudar em escolas privadas ou universidades públicas. Os produtos de luxo têm que ter grife (33%), ser caros (63,7%) e poucas pessoas devem possuir (50,5%).

O resultado indica que há consumo por distinção social entre os moradores de Caraguatatuba e que a exclusividade é identificada, mas não de forma significativa.

Uma das questões solicitava que o participante apontasse uma empresa, local ou marca existente na cidade interpretada com o luxo. A maior parte dos respondentes (77,5%) identificou nominalmente o estabelecimento ou bairro; cerca de 15,1% não conseguiu identificar. Destaca-se aqui o item lojas e lazer de luxo identificados por 66,3% dos participantes.

Quando perguntados de forma livre sobre o que é luxo em Caraguatatuba, 44,94% dos participantes apontam nominalmente um elemento. No entanto, 53,93% dos respondentes não identificam nem um item de luxo na cidade.

O contraponto da identificação da presença do luxo está no acesso ao consumo. Na pesquisa percebeu-se o baixo consumo de produtos e serviços de luxo, à medida que 45% dos entrevistados nunca consumiram ou não consomem a mais de três anos. Dentre os que consumiram produtos de luxo 39% informaram ter consumidos serviços de restaurante, calçados, viagens, eletroeletrônicos, especialmente, smartphone.

Portanto, em Caraguatatuba percebe-se o luxo associado a experiências e a qualidade de vida, ao mesmo tempo que se reconhece especificamente os estabelecimentos comerciais, bairros e marcas de luxo. Todavia, não é percebido o luxo no conjunto da cidade e as aquisições de produtos de luxo ocorrem de forma esporádica e direcionada, uma vez que o luxo está associado a rendas maiores.

 

 

*Com Cíntia Mayumi Mizuno Kakuda

Graduada em Administração com ênfase em Marketing,

Pós Graduada em Gestão Financeira pelo IFSP

 

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui