Primeira semana do ano em Ubatuba tem 4 tartarugas marinhas encontradas mortas

Movimento de pessoas, embarcações, pesca e lixo podem ter contribuído
Foram 6 acidentes com tartarugas marinhas em 4 dias (Foto: Divulgação)

Por Fernanda Veiga 

Desde o início do ano de 2019 já foram registradas seis ocorrências de socorro a tartarugas marinhas em Ubatuba. Destas, três Tartarugas-verdes (Chelonia mydas) e uma Tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta) foram encontradas mortas, e duas Tartarugas-verdes (Chelonia mydas) estavam vivas. Nenhuma dos animais teve a causa da morte evidenciada ou conclusiva, mas a suspeita é que o movimento de pessoas, embarcações, pesca e lixo tenham contribuído.

Foram coletados materiais e enviados para análises complementares. "Infelizmente o aumento do lixo, a interação com a pesca e o aumento do tráfego de embarcações são fatores que prejudicam e muito estes animais, levando assim, muitos ao óbito" afirma a diretora do Instituto Argonauta, a bióloga Carla Beatriz.

As tartarugas foram resgatadas entre os dias 2 e 6 de Janeiro nas praias: Ubatumirim , Vermelha do Centro, Prumirim, Iperoig, Praia Grande e Itaipu, pelas equipes do Instituto Argonauta no âmbito do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS).

Os animais vivos foram encaminhados para tratamento no Projeto Tamar de Ubatuba e as mortas, possíveis de serem avaliadas, foram para necropsia no Centro de Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CRD) do Instituto, em Ubatuba, para análise e entendimento das possíveis causas da morte.

A equipe orienta que ao encontrar um animal marinho debilitado, o ideal é não se aproximar, pois, dependendo da espécie, o mesmo pode se tornar agressivo caso se sinta ameaçado.

Para ajudar nesse trabalho de encalhes de aves, mamíferos ou tartarugas marinhas ligue para o PMP-BS 0800-6423341 ou diretamente para o Instituto Argonauta: (12)3833-4863/ (12)3834-1382 (Aquário de Ubatuba)/ (12) 38335753/ (12) 99705-6506 – WhatsApp.

Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário