Instituto Argonauta devolve seis pinguins de Magalhães ao mar

As aves foram resgatadas em diversos pontos do Litoral Paulista
Aves estão prontas para retornar à casa (Foto: Divulgação)

Seis pinguins de Magalhães (Spheniscus magellanicus) que passaram por tratamento no Centro de Reabilitação e Despetrolização (CRD), em Ubatuba, serão devolvidos ao mar, nesta quarta-feira (19).

Depois do resgate e um período de recuperação nos Centros de Reabilitação, em Cananéia, no Guarujá e em Ubatuba, as aves já se encontram reabilitadas e podem ser liberadas na natureza.

Vale lembrar que soltura depende das condições do mar e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) ajudará a posicionar o melhor local de soltura, de acordo com as imagens de satélite, que mostram a posição da corrente do Brasil. 

Os pinguins serão soltos em local com maiores chances de deslocamento para o Sul. 

"É importante ter as condições climáticas ideais para realizar a soltura dessas aves em alto mar, para que elas possam fazer a viagem de volta a seu habitat, na Patagônia Argentina - de onde migram anualmente, trazidas pelas correntes marítimas em busca de alimento", afirmou o presidente do Instituto Argonauta, o oceanógrafo Hugo Gallo. 

Do grupo, três indivíduos foram encaminhados pelo Instituto Gremar do Guarujá, um do Instituto de Pesquisas Cananéia (IPEC) e dois pinguins foram resgatados pelo Instituto Argonauta.  

Depois da soltura, os pinguins serão acompanhados em tempo real através de um transmissor via satélite no dorso de um deles. 

Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário