Tradicional cerimônia ‘Barcos ao Mar’ marca fim do defeso do camarão

A novidade deste ano é a ‘Benção das Redes’, feita pelo padre Beto, pároco da Igreja Matriz de Santo Antonio
Encontro acontece neste domingo (27), às 9h (Foto: Fundacc/ Divulgação)

A 21ª edição da tradicional cerimônia ‘Barcos ao Mar’, que marca o fim do Defeso do Camarão, será realizada no domingo (27), a partir das 9h, no Entreposto do Camaroeiro, em Caraguatatuba. No encontro, a comunidade pesqueira se reúne para pedir a proteção de São Pedro Pescador e de Nossa Senhora dos Navegantes para a abertura da pesca do crustáceo.

A novidade deste ano é que haverá a ‘Benção das Redes’, onde o padre Beto, pároco da Igreja Matriz de Santo Antonio, irá abençoar as redes dos pescadores. Este ano o homenageado será o pescador José Teixeira de Souza, mais conhecido como Terra Seca, de 58 anos.

Com os barcos enfeitados, os pescadores saem do píer do Camaroeiro em procissão marítima, passando pela Prainha e Martin de Sá, de onde retornam para a benção das embarcações, na ocasião, feita pelo padre Carlos Alberto da Silva, conhecido como padre Beto, pároco da Igreja Matriz de Santo Antônio.

Em seguida, haverá a procissão terrestre, novamente com os fieis carregando o andor com as imagens de São Pedro Pescador e de Nossa Senhora dos Navegantes. A Banda Municipal Carlos Gomes acompanha todo o cortejo a pé.

O evento abre a pesca do camarão e antecede o 21º Festival do Camarão que este ano será realizado em duas semanas, dos dias 11 à 15 e 19 à 20 de julho na Praça da Cultura (Avenida da Praia), no Centro de Caraguatatuba. A festa terá Barracas de Gastronomia, Rota do Cambuci, Casa da Farinha, shows ao vivo, Casa Caiçara e artesanato identitário.

Terra Seca

José Teixeira nasceu em Mombaça, no Ceará, em 12 de maio de 1960, filho de Francisco Teixeira Evangelista, agricultor, e de Antonia Felícia Evangelista. Teixeira tem 11 irmãos. Por ter nascido no interior do Ceará e ter vivido da agricultura, seus amigos caiçaras lhe apelidaram de Terra Seca.

Ele chegou a Caraguatatuba em 1988 para trabalhar na lanchonete do irmão mais velho, Antônio Teixeira, mas se encantou com o mar e com a vida de pescador dos muitos amigos que fez.

O primeiro camarada a lhe ensinar o ofício da pesca do camarão foi Jorge Benedito do Nascimento, o Jorge Gordo, e, tomando gosto, nunca mais deixou a vida no mar. Reconhecido e cadastrado pela Capitania dos Portos e pela Associação dos Pescadores em 1990, até hoje vive da pescaria.

Trabalhou na peixaria Sato e em várias embarcações como o “Barão de Mauá” e o “Raio do Luar” do falecido Sato; “Oceano II”, do Guri; “Flamingo”, do Carlos Minato e no “Itapuã”, do Valdir Cunha do Prado. Faz cinco anos que adquiriu seu próprio barco, o “Heitor”, em homenagem ao seu neto de seis anos.

Terra Seca casou-se duas vezes. Com a primeira esposa teve três filhos, Antonio Edilberto e José Cledsson, que são marítimos e, vivem em Caraguá e Pedro James, que vive em São Paulo. Sua atual esposa é Jurema Dionísio dos Santos.


José Teixeira ainda foi abençoado com três netos, Fernanda e Heitor, filhos de José Cledsson, e Valentina, filha de Pedro.

A cerimônia “Barcos ao Mar” é uma realização da Fundação Educacional e Cultural ( Fundacc) e da Prefeitura de Caraguatatuba em parceria com a Comunidade Pesqueira da Praia do Camaroeiro. Mais informações (12) 3897.5660 ou no site www.fundacc.sp.gov.br.

Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário