Vereador de São Sebastião propõe escola pública para filhos de políticos

Professor Gleivison aponta desigualdade na qualidade oferecida na rede 
Professor Gleivison, autor da Proposta (foto: Divulgação/CMSS

Um projeto polêmico promete movimentar a Câmara de São Sebastião nos próximos dias. Está previsto para a sessão desta terça-feira (6/3), a partir da 18h, a votação do parecer da Comissão de Justiça sobre o projeto do vereador Professor Gleivison Gaspar (MDB) que ‘obriga’ políticos a matricularem seus filhos em escola pública. 

A Comissão de Justiça, formada pelos vereadores José Reis de Jesus Silva (PSB), Onofre Santos Neto (DEM) e Pedro Renato da Silva (PSDB), se reúne horas antes da sessão para emitir o parecer sobre o projeto.

Como professor da rede municipal há 22 anos, Gaspar disse que a ideia surgiu vendo o disparate que há na educação municipal. “Vi em escola particular bolas novinhas para a garotada ter aula de vôlei. Quando chego na escola municipal meia dúzia de alunos tenta jogar com uma bola de plástico. É muito desigual”.

O parlamentar justifica que "essa exigência traz consigo a reflexão: a educação pública seria a mesma se os filhos de quem a comanda estivessem nela?”. 

Ele acrescenta, ainda, que já fica feliz se discutir sobre a realidade da rede municipal como falta de material e uniforme escolar, material esportivo, quadras interditadas, casos de violência e vandalismo, Ideb abaixo da expectativa, excesso de aulas vagas. 

“Entendo que mesmo havendo o engavetamento do projeto, vale a pena, pois colocamos a Educação no centro das discussões” e frisa: “já notou que escola ‘pública a elite não quer, mas a universidade pública, sim?”.

Embutidos

Também tramita na Câmara de São Sebastião projeto de lei que proíbe ‘alimentos embutidos’ na merenda escolar. Conforme o projeto, de autoria do presidente da Casa, Reinaldo Moreira, o Reinaldinho (PSDB), são considerados ‘embutidos’ os alimentos produzidos pelo enchimento de tripas animais ou artificiais, com recheio à base de carne, vísceras, gordura, sangue e especiarias. É o caso das salsichas, linguiças, salames, mortadelas e chouriços.

A propositura prevê, ainda, campanha de conscientização nas escolas e creches. O objetivo é advertir sobre os males para a saúde no consumo de 'embutidos'. “Eles têm alta concentração de conservantes e gorduras que devemos ter cuidado, principalmente as crianças”, justifica Reinaldinho.

De acordo com a proposta, devem ser priorizados alimentos in natura, orgânicos e com baixo teor de sódio na merenda.

O projeto aguarda parecer das comissões para ser votado em plenário.

Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário