FOTO EM FOCO: Ilhabela Bossa & Choro


Recentemente, a Ilha foi palco do Ilhabela Bossa & Choro. O evento trazia, no folder de divulgação, a frase "música autêntica brasileira". Não precisava; era redundante. Choro e bossa nova são perolas no meio de um montaréu de excrescências que dão corpo a nossa música. Existem sim, mais perolas, mas essas duas são bastante destacadas. A bossa nova é figurinha carimbada no mundo inteiro e é gostoso ouvi-la nos tempos de agora, sonhando um mundo cor de rosa e com isso aquietando um pouco a nossa enorme decepção diante de cada nova revelação da lava jato e outras operações judiciais similares escancarada nos jornais da TV. O choro é mágico e ombreia com o melhor jazz. Por isso era lindo de se ver os músicos tocando na praia, caminhando pela cidade, fora do palco, ao nível do chão, ao nível dos passantes, dos banhistas. E mais que lindo de se ver, era muito lindo de se ouvir. Uma sonoridade única, tão melodiosa e pungente, a exigir um virtuosismo sem igual dos seus interpretes.
  
Ponto para Ilhabela por sediar um evento bacana assim. As fotos da coluna retratam com gosto o seu encerramento com o show de Roberto Menescal, moderno e vigoroso nos seus oitenta anos de vida, tocando um repertório de sucessos inesquecíveis na companhia da cantora Cris Dellano.

É uma pena, contudo, que ao mesmo tempo em que a Ilha sediava esse festival, ela perdesse outro de tão carismática história: o Vento Festival. Este ano ele vai acontecer em São Sebastião, na Rua da Praia, na Praça de Eventos. O Vento tinha a cara da Ilha e trazia para cá um ar cosmopolita, revolucionário, transgressor. Importava um público antenado com as transformações comportamentais que fazem a diferença; um público questionador e um público sensível e vale também dizer, um público bonito de se olhar. A Foto em Foco fotografou tanto esse público quanto algumas das atrações do Vento do ano passado.

Não dá para entender por que razão, justo agora, quando a Ilha tanto carece de acontecimentos musicais de qualidade, de substância, de real valor, que o Vento tenha se bandeado para o outro lado do canal.

Fica difícil acreditar que lá ele conseguirá repetir a magia que acontecia na Praia do Perequê, com a sua areia macia massageando os pés e um horizonte idílico encantando os olhos.

Nada contra São Sebastião que tem a sua beleza, principalmente nos quarteirões do centro histórico restaurado.

Mas o Vento na praça de eventos? Praça? Aquele lugar não merece ser nomeado como praça; é na verdade um deserto de concreto quase a se perder de vista, onde irrompem prepotentes, monstruosas luminárias gigantes jorrando uma luz dardejante que cega a visão e mortifica tudo ao seu redor.


Por Márcio Pannunzio












*Os direitos autorais das fotos da coluna Foto em Foco pertencem a Márcio Pannunzio. Desrespeitar o direito do autor é crime. Havendo interesse em usar qualquer fotografia da coluna para fins jornalísticos, institucionais, didáticos ou publicitários, entre em contato para negociar o devido licenciamento de uso de imagem: marciopann@gmail.com


  Conheça mais trabalhos de Márcio Pannunzio pelos sites: www.marciopan.art.br, www.marciopan.com, www.ilhabelaemfoco.com e www.retratararte.com. E aqui no Foto em Foco, toda semana uma diferente série fotográfica.
Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário