Comunidades tradicionais são opções de tranquilidade na alta temporada

Ilhabela deve receber mais de 500 mil visitantes no verão, mas ainda oferece destinos alternativos em meio o agito da temporada
A praia da Serraria é uma opção de sossego na temporada (Foto: Nova Imprensa)

Por Daniela Malara Rossi

O arquipélago de Ilhabela é um dos destinos mais procurados pelos turistas, especialmente na alta temporada. Segundo a secretaria de Turismo da cidade, mais de 500 mil visitantes devem passar pelo arquipélago durante o verão. Já a Dersa estima que apenas no fim de semana do Reveillon, cerca de 10 mil veículos atravessaram a balsa. Mas em meio todo esse agito, a Ilha ainda oferece opções de tranquilidade em suas praias mais isoladas, que abrigam as comunidades tradicionais.

Locais cercados por lendas e cheios de praias e cachoeiras pouco conhecidos, como Poço, Serraria, Saco do Sombrio, Caveira e Fome, que devido às dificuldades de acesso, recebem, ainda, poucos visitantes e se tornam uma alternativa para quem busca tranquilidade e contato com a natureza.

Recentementem o arquipélago de Ilhabela foi classificado como o destino mais exótico do mundo pelo ranking Best Beach Awards 2015, do canal americano Travel Channel. O estudo ressalta que 85% do território encontra-se em reservas naturais do Parque Estadual e lembra que a Ilha integra, também, o plano de proteção de ecossistemas da Unesco.

O jornal Nova Imprensa escolheu cinco destinos alternativos para quem busca aventura e sossego em meio a natureza preservada. Confira!

Serraria

A praia da Serraria conta com mais de quatro cachoeiras e um riacho que deságua no mar, além de uma fauna e flora muito preservados. Lá vive uma comunidade caiçara totalmente isolada, composta por pouco mais de 20 casas sem acesso à energia elétrica ou telefonia celular. As famílias vivem da pesca e são conhecidos por fazer belos artesanatos. Entre as areias e o morro é possível, ainda, ver as ruínas de edificações remanescentes da época colonial, onde os senhores de escravos viviam.

A região também é conhecida por abrigar um cemitério com vítimas do naufrágio do navio Príncipe de Astúrias. Devido a grande quantidade de corpos à deriva e em avançado grau de composição que emergiram após o acidente, não houve tempo para realização do translado ao continente e a Polícia Marítima organizou o enterro das vítimas do naufrágio ali mesmo, com a ajuda dos caiçaras.

No mês de agosto, é realizada a famosa festa do Bom Jesus de Iguape. O ritual começa com a missa celebrada na única capela de Serraria pela manhã, seguida do almoço preparado pelas mulheres da comunidade e mais uma sessão de rezas. É chegada então a hora de acender a enorme fogueira, que queima durante dias e ilumina o baile e a queima de fogos de artifícios, reunindo moradores e visitantes.

Praia do Poço

Localizada no extremo leste da ilha, a paria abriga uma cachoeira que deságua uma cascata, formando uma piscina natural em suas areias desertas. Lá também encontramos um pedaço da história nas ruínas do Engenho do Poço, construção que testemunha a economia canavieira muito presente nessas bandas até o início do século XX. No local, há apenas um morador e o acesso a praia só pode ser feito pelo mar.

Saco do Sombrio

Esta pequena comunidade caiçara é famosa pela lenda de um grande tesouro do clero peruano escondido em suas terras. O Tesouro da Trindade levou o pesquisador Paulo Ferdinand Thiry a viver mais de 40 anos em suas terras em uma busca ousada, mas que acabou em nada. O paraíso de águas cristalinas abriga uma comunidade hospitaleira e ótimas condições para pesca e mergulho turístico.

O ancoradouro foi um dos últimos destinos que resistiram ao comércio e desembarque clandestino de escravos no Brasil. Esta dinâmica permitiu o crescimento de uma população nativa criada pela mistura de diversas culturas que ali aportavam, de africanos a europeus, indígenas nativos e até japoneses.

Nas primeiras décadas do século XX, a comunidade desenvolveu técnicas artesanais de pesca e culinária, dado o exemplo do peixe seco, processado para venda na capital paulista e denominado de iriko pelos descendentes orientais. No Saco do Sombrio também foi implementado o costume da pesca com o cerco, equipamento que permite o aprisionamento de cardumes, sem sacrificar os peixes pequenos.

Praia da Caveira

Essa região é conhecida pelas execuções e motins feitos pelos piratas. Devido a sua localização remota, distante das vilas coloniais, os corsários costumavam realizar o “trabalho sujo” longe da fiscalização ou mesmo dos olhos de alguém oriundo das comunidades locais.

Além disso, reza a lenda que ao se passar embaixo de uma figueira todas as tarde é possível ouvir as vozes dos escravos de um navio que afundou ali. Porém, a grande quantidade de pedras no local gera um ruído bem específico quando bate o vento, o que pode ser confundido com os gritos do além.

Lendas à parte, a Praia da Caveira e seus arredores constituem metros de areia desertas, natureza selvagem e muita beleza, ideal para pessoas que buscam tranquilidade em tardes de sol ou para a prática de mergulho e pesca.

Fome

A praia da Fome foi um importante porto para o desembarque de escravos no continente, uma história que, aliada a suas belezas naturais, traz mais encanto ao local. Cercada por uma floresta com uma fauna diversificada e uma infinidade de corais que atrai muitos mergulhadores, o acesso é feito apenas por trilha ou barco.

Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário