Novo prefeito encontra prédios insalubres e doações abandonadas em S.Sebastião

Funcionários de alguns setores estão levando materiais de casa para trabalhar
Produtos acumulados o CIP (Fotos: Mara Cirino/NI)

Por Acácio Gomes

A Prefeitura de São Sebastião promoveu na manhã desta quinta-feira (5/1) um encontro com profissionais da imprensa para vistoria em prédios públicos.

A ideia da administração do prefeito Felipe Augusto (PSDB) foi mostrar aos jornalistas a situação de alguns prédios públicos e as condições de trabalho de servidores. A vistoria foi coordenada pelo secretário adjunto de Governo, Ângelo Ítavo Neto.

O primeiro prédio a ser visitado foi o galpão do Centro Integrado Profissionalizante (CIP) no bairro da Topolândia. No local, inaugurado em dezembro de 2008 e onde deveria funcionar o curso de montagem industrial do Senai, foram encontrados vários materiais de diversos setores: mesas, cadeiras, geladeiras e equipamentos para o Hospital de Boiçucanga; carteiras e mesas para escolas e creches; além de mais de 80 colchões que deveriam ser repassados para doações.

Já no local onde funciona os cursos, o prédio está todo deteriorado. Segundo funcionários, em 2016 só foram promovidos três cursos: serviços administrativos, buffet e informática básica. Outros cursos estavam programados, mas não foram feitos por falta de estrutura.

Outro local visitado foi um galpão alugado por R$ 1,8 mil onde estão materiais do Fundo Social de Solidariedade que também deveriam ser doados como colchões novos, mesas, cadeiras e macas de hospital.

Segundo a atual administração, a ideia é que todo o material seja catalogado e depois promover um bazar. Além disso, o prédio deve ser entregue para diminuir custos.


Almoxarifado da Saúde não tem ventilação
A comitiva esteve também no Almoxarifado Central, onde estão localizados materiais em geral da Prefeitura e das secretarias de Educação e Saúde. Lá, o que chamou atenção foram as condições insalubres em que os funcionários trabalham, principalmente no que se refere ao calor.

No espaço voltado para a Saúde, vários medicamentos ficam expostos a temperaturas internas que já chegaram a 38 ou 40 graus. Porém, segundo a farmacêutica responsável, os medicamentos podem ficar em temperaturas que variam entre 23 e 28 graus e isso pode comprometer a eficácia em determinados tratamentos. Apenas insulinas ficam em geladeiras.

UPA Centro
Vazamento identificado na UPA

Na vistoria, os problemas com maior gravidade foram encontrados no prédio entregue pela antiga administração da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Centro.

A diretora clínica Luciana Correia mostrou aos presentes os problemas encontrados. “Mudamos na quinta-feira passada e tivemos que sair na segunda desta semana pelas condições oferecidas. Não houve consulta aos técnicos na confecção da obra e vários setores terão de ser refeitos”, comentou.

Gerador instalado incorretamente, entrada para ambulância sem proteção deixando o paciente exposto, vazamento de água em vários locais, sala de raio-x sem laudo sobre radiação, várias salas sem ralo, banheiros e bebedouros sem água, conectores de oxigênio sem funcionar, painel de senhas queimado, salas de isolamento sem vidro e portas de banheiros por onde não passam macas foram alguns dos itens elencados.

Segundo a médica, tudo isso foi identificado e já repassado para a Secretaria de Obras. “Eles terão de fazer uma grande intervenção. A empresa construtora deverá ser acionada pelo Jurídico. Não há condições clínicas de funcionar como está, por isso preferimos voltar para o antigo prédio”, revelou.

Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário