Disputa pela presidência da Câmara de Caraguá segue ‘quieta’, mas com três nomes

Tato, Nishiyama afirmam que seus nomes estão à disposição dos companheiros e Duda pode entrar no páreo
(Fotos: Divulgação)

Por Mara Cirino

Diferente dos outros anos quando a disputa pela presidência da Câmara de Caraguatatuba estava pegando fogo próximo ao pleito, há pouco mais de 10 dias das eleições, ainda é difícil fechar o nome dos candidatos. Dois já confirmaram que estão à disposição - Renato Leite Carrijo de Aguilar, o Tato Aguilar (PSD), e Flávio Nishiyama (PTB). José Eduardo da Silva, o Duda Silva (PP), disse estar preparado se precisar sair candidato.

No caso de Caraguá, é preciso formar uma chapa para compor a Mesa Diretora com candidatos a presidente, vice-presidente, primeiro e segundo secretários. A eleição será no dia 1º de janeiro de 2017 logo após a posse dos candidatos eleitos ao Executivo e Legislativo que será no Teatro Mario Covas, às 18h. O local da eleição para a presidência ainda não foi definido 

Tato Aguilar está na confortável tarefa de ser grupo do prefeito eleito José Pereira de Aguilar Junior (PMDB) e acredita que pode fazer um bom trabalho no Legislativo. Ele se espelha em seu pai, José Pereira de Aguilar, que já foi prefeito e presidente da Câmara de Caraguá e no seu avô Dario Leite Carrijo, que presidiu o Legislativo de São Sebastião. 

Tato afirma que quer mudar a imagem da Câmara junto à população, permitir que os parlamentares possam mostrar os trabalhos realizados tendo em vista a crise moral e institucional pela qual passa a classe política hoje. “Meu desejo é que os 15 vereadores sejam a favor do povo”.

Em relação ao apoio dos colegas, Tato Aguilar disse que tem nove que apoiam suas ideias e isso lhe dá confiança para seguir em frente. Melhorar as condições de atendimento na Câmara e ter uma melhor estrutura para atender a população são outras metas apresentada pelo candidato. Este ano foi aprovada a doação de um terreno entre o Indaiá e Jardim Jaqueira para a construção da nova sede e ele acredita que isso é possível.

“Teremos um aumento no orçamento – será de R$ 16 milhões contra R$ 14 milhões deste ano – e bem administrado é possível colocar a casa em ordem”.

Concurso
Flávio Nishiyama é outro que tem interesse em assumir a presidência da Câmara, mas confirma que, por enquanto, tem trabalhado mais em silêncio. Ele conta que teria já pelo menos 10 votos favoráveis, além do apoio do atual prefeito Antonio Carlos da Silva (PSDB). “Entendemos que é preciso ter uma oposição com a futura administração até para que ocorra um maior equilíbrio entre o Legislativo e o Executivo”.

Como meta de trabalho, ele entende que é preciso renovar a Câmara porque muitos funcionários concursados estão aposentados ou em vias de se aposentar, por isso, não descarta a possibilidade de abrir concurso público. Isso porque o número de cargos comissionados deve ser cortado por aconselhamento do Tribunal de Contas do Estado.

Ele ainda aponta a possibilidade de instituir a TV Câmara como uma forma do legislativo estar muito mais próximo da comunidade. “Eu mesmo quero estar pelo menos uma vez por mês nos bairros, buscar as reivindicações da população para melhor atendê-la”.

Nishiyama acredita que está preparado para a tarefa, caso seja eleito, apontando que será mais novo vereador da Câmara, com 31 anos, mas com uma boa bagagem de conhecimento, até porque seu pai é funcionário de carreira há 27 anos.

Stand by
Outro nome que tem surgindo sobre o interesse de participar do pleito é de Duda Silva. Em entrevista ao Nova Imprensa ele disse que seu compromisso é com Aguilar pai e Aguilar Junior e se o nome lançado for de Tato Aguilar ele estará com ele. Caso contrário, se o convite for para que ele participe dessa eleição, estará junto com seu grupo político. 

“Fui o mais votado do meu partido que conseguiu eleger três vereadores – além dele, Evandro do Nascimento, o Vandinho, e Dennis Guerra – e estamos fechados em bloco. Entramos em um consenso de votarmos juntos, independentemente da situação”, antecipa. 

Duda Silva trabalhou nove anos como assessor parlamentar na Câmara e disse que mantém uma boa relação com os funcionários. “Acho que os dois últimos presidentes – Neto Bota e China – fizeram uma boa administração, reduziram custos, mas entendo que ainda podemos qualificar mais os funcionários, ter um concurso para renovar aqueles que precisam se aposentar e trabalhar junto com o prefeito eleito para que a cidade possa crescer”.

Ele entende que a próxima Câmara tem tudo para ser ainda melhor uma vez que deu uma boa renovada com oito novos vereadores no total de 15.

Fora
Outro nome em evidência para disputa é da vereadora Vilma Teixeira (PSDB) que vai para seu terceiro mandato. “Isso não é pra mim, nunca tive vontade de ser presidente, só se acontecer”, conta. 

Aliás, ela disse estranhar o andamento do processo eleitoral que, na sua visão, estaria muito quieto estando tão próximo do pleito. “Acho que agora que vai esquentar”, prevê a veterana.



Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário