Caraguá suspende consumo de mexilhão por risco de intoxicação

O molusco da região pode estar contaminado por uma "corrente temporária de poluição"
Não há previsão para retomada da comercialização do marisco (Foto: Divulgação)

Devido à passagem de uma corrente temporária no litoral, a secretaria municipal de Meio Ambiente de Caraguatatuba suspendeu o consumo de mexilhões no município, pois este fenômeno pode contaminar o molusco e causar intoxicações alimentares. Isso acontece pelo fato desta corrente estar poluída e do marisco ser um animal filtrador de resíduos presentes na água.

Os sintomas da intoxicação do alimento por esta “corrente temporária” são diarreias, vômitos e náuseas. Segundo a secretaria, ainda não há previsão para que a situação seja normalizada e comercialização da atividade seja retomada. Os estados de Santa Catarina e Paraná também suspenderam a comercialização do mexilhão.

A medida foi tomada em caráter preventivo e em conjunto com a Associação dos Maricultores da Cocanha. A corrente está sendo monitorada juntamente com a Cetesb. “Estamos enviando amostras do nosso cultivo e da água para laboratórios oficiais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento”, informou o secretário de Meio Ambiente, Auracy Mansano.

Ainda conforme o secretário, a contaminação do marisco é temporária. “Todos podem ficar tranquilos, pois os mexilhões não são afetados permanentemente pelas toxinas. Com o tempo, eles se purificam e acabam ‘engordando’ com essa alta quantidade de nutrientes”, explicou.
Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário