Primo confessa que matou criança de seis anos em Juquehy

O homem de 23 anos fez a reconstituição do caso nesta quinta (25)
(Foto: Divulgação)

O homem suspeito de ter matado uma criança de seis anos, na praia de Juquehy, São Sebastião, foi preso pela Polícia Civil na noite desta quarta-feira (24). Segundo a polícia, D.G., de 23 anos, é primo da  vítima e confessou o assassinato durante um interrogatório na delegacia de Barra do Una, onde foi feita a reconstituição do crime, na manhã desta quinta (25).

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Múcio Alvarenga, D.G. assumiu o crime, mas alegou ter sido um acidente e, devido o estado avançado de decomposição do corpo, não foi possível definir a causa exata da morte. "O detido disse que estava fumando um cigarro em um terreno baldio e o menino foi atrás dele e começou a puxá-lo, então ele deferiu um golpe que nocauteou a criança. A história é estranha e o rapaz apresenta sérios indícios de perturbação mental, mas podemos afirmar que ele é o culpado, dadas as provas circunstanciais e testemunhais", disse o delegado.

O suspeito morava em Bertioga e veio passar o fim de semana com a família quando cometeu o crime. Ele foi preso após depoimentos de vizinhos e parentes que o viram com a criança. Para chegar ao detido, a investigação também utilizou as imagens das câmeras de segurança da rua sem saída onde mora a família da vítima.

O crime aconteceu no último dia 18 de fevereiro, quando Leonardo saiu da escola, foi andar de bicicleta em sua rua e desapareceu. O corpo só foi encontrado dois dias depois, submerso nas águas de um mangue que passa pelo terreno abandonado.

Segundo a perícia, a causa da morte pode ter sido por asfixia, já que não há indícios de trauma ou dentes e ossos quebrados. Também não há evidências de abuso sexual. Ainda, de acordo com a investigação, o forte calor da última semana, a água e os animais do mangue aceleraram o processo de decomposição e as lesões do corpo, o que dificultou o trabalho do médico legista. 

D.G. está sob escolta policial para evitar linchamento por parte da população. Ele deve ser encaminhado ao CDP de Caraguatatuba nesta sexta-feira (26), onde vai aguardar a decisão judicial. O suspeito também deve passar por avaliação psiquiátrica.

Falsa acusação

O namorado da mãe de Leonardo sofreu ataques violentos após falsas acusações que foram propagadas nas redes sociais. Boatos acusavam o rapaz pelo crime e segundo a polícia, ele quase morreu linchado na rua.

Os pais de Leonardo estavam separados, mas tinham um relacionamento amigável e compartilhavam a guarda do menino. A mãe dele trabalha como empregada doméstica e namora há cerca de cinco meses. Segundo familiares, o namorado nunca teve comportamento violento.

Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário