Reuso de água e energia solar podem virar lei em Ilhabela

Projetos foram aprovados pelos vereadores e seguem para sanção da prefeitura
Ilhabela tem 85% do território em área de preservação (Foto: Divulgação)

Por Daniela Malara Rossi

Os vereadores de Ilhabela aprovaram, na noite desta terça-feira (4), dois projeto de lei que visam a reutilização da água e o uso de sistemas de energia solar em prédios públicos. As iniciativas foram elogiadas no plenário dado o caráter natural da cidade, que tem 85% do território dentro de um parque de preservação. As propostas foram aprovadas por unanimidade dos parlamentares presentes e seguem, agora, para sanção da prefeitura, que pode acatar, ou não, as práticas.
 
O PL de autoria do vereador Thiago Santos (SDD) “dispõe sobre a instalação de sistemas de energia solar para iluminação nos prédios públicos” e o projeto proposto pelo vereador Luiz Paladino de Araújo(PCdoB) “prevê a obrigatoriedade de incluir nos projetos de novas edificações de propriedade do município, a instalação de sistemas de captação e aproveitamento de águas de chuva a serem consumidas nas edificações”.

"A questão da sustentabilidade deve estar nos fundamentos da administração e não apenas no slogan da cidade. Espero que o tema seja tratado como prioridade pela prefeitura e possa sair do papel, já que vivemos tempos de crise ambiental, vista tanto pela escassez hídrica, quanto pelo aumento no custo da energia elétrica", analisou o vereador Luizinho.

A vereadora Rita Janete de Oliveira (PTdoB) ressaltou que a iniciativa se tornaria um exemplo aos cidadãos, além de ser economicamente vantajosa. "O projeto deve diminuir os custos da operação dos prédios públicos e disseminar, ainda, uma postura sustentável na sociedade. Se a administração não adotar métodos desta natureza, não poderá cobrar dos munícipes", disse ela.


Vetos do prefeito
A fala dos vereadores se justifica devido a outros vetos da prefeitura. Na mesma noite, sete propostas foram rejeitadas pelo prefeito Antônio Colucci (PPS) e encaminhadas para análise das comissões da Câmara, que ainda podem derrubar os vetos.

Foram vetados o projeto que dispunha sobre instalação de bicicletários em prédios públicos e o projeto que pretendia fixar quadros informativos com nome, registro profissional, dias e horários de atendimento dos médicos nos postos de saúde e no Hospital Mário Covas. Também foi derrubada uma proposta do próprio Executivo visando alterações na lei de concessão do Programa Bolsa Atleta, que recebeu emendas por parte do Legislativo. Além disso quatro projetos que versavam sobre denominação de via pública também tiveram o veto do prefeito.
Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário