Documentários brasileiros são exibidos gratuitamente em São Sebastião

Cinema de graça na Costa Sul, às terças-feiras, e no Centro, às quintas-feiras
Documentário Serra da Desordem (Imagem: Reprodução)

São Sebastião tem uma programação gratuita de cinema neste mês de agosto. “Retratos Brasileiros” é o tema que o projeto ‘Conexão São Sebastião – Cinema Para Todos’ traz em uma compilação de três documentários com temáticas relacionadas à região. As sessões ocorrem às terças-feiras na Praça Pôr-do-Sol, em Boiçucanga, na Costa Sul e todas às quintas-feiras na Videoteca, no Centro da cidade, sempre às 19h30.

A programação de agosto conta com um documentário feito na região, realizado pelo Centro Cultural “Pés No Chão” de Ilhabela. O grupo já realizou alguns vídeos em comunidades afastadas do arquipélago e, neste mês, será exibido o trabalho realizado na Ilha da Vitória, intitulado Vida e Imaginário Caiçara – Ilha da Vitória.

Neste documentário a equipe passou 14 dias na ilha Vitória, no arquipélago de Ilhabela e, sem um roteiro fechado, o documentário é construído através da convivência, depoimentos e registro das atividades cotidianas. O filme ganhou o Urso de prata em Berlim, Especial do Juri e escolha da audiência em Clermont Ferrand, oito prêmios em Gramado (incluindo melhor curta) e Margarida de Prata. Com direção de Emiliano Bernardo e Ruben Bianchi, datado de 2008 e com 50 minutos de duração, o filme possui classificação livre.

O outro filme será “Serras da Desordem”, um longa dirigido por Andrea Tonacci. Este documentário acompanha a trajetória de Carapirú, um índio Guajá que perambula por dez anos o interior do Brasil depois de sobreviver a um massacre promovido pelos fazendeiros.
O índio Carapirú escapa de um ataque surpresa de fazendeiros e durante 10 anos perambula sozinho pelas serras do Brasil central, até ser capturado em novembro de 1988, a 2000 km de distância de sua fuga inicial. Levado a Brasília (DF) pelo sertanista Sydney Ferreira Possuelo, em uma semana ele se torna manchete por todo país e centro de uma polêmica entre antropólogos e linguistas em relação à sua origem e identidade.

Na tentativa de identificar sua origem Carapicú reencontra um filho, com quem retorna ao Maranhão. Porém o que Carapirú encontra ao retornar já não está mais de acordo com sua vida nômade. O documentário foi premiado como melhor filme, direção e fotografia em Gramado (SC), recebeu o prêmio ‘Margarida de Prata’ em 2006; melhor filme no Ecocine; Melhor Filme Brasileiro na Mostra de SP, entre outros. Com direção de Andrea Tonacci, de 2006 e com 135 minutos de duração, o filme é desaconselhável para menores de 14 anos.
O projeto é uma parceria entre a Associação Cultural Vento Forte e a Secretaria de Cultura e Turismo (Sectur).

Programação:
Boiçucanga | 19h30
Cineclube da Praça Pôr-do-Sol| Avenida Valkir Wergani, 1000
Dia 28 | “Ilha das Flores ”
Dia 25 | “Serras da Desordem”
Centro | 19h30
Videoteca Municipal | Avenida Altino Arantes, s/n (Rua da Praia)
Dia 20 | “Ilha das Flores”
Dia 27 | “Serras da Desordem” 


Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário