Situação e oposição se unem e sobe o tom de críticas ao governo do PSDB

Câmara de São Sebastião vai criar comissão para cobrar explicações sobre cortes em obras de saneamento
Erneninho e Professor Gleivison (Foto: Acácio Gomes/NI)

Por Acácio Gomes

Vereadores se uniram para criticar o PSDB e a Sabesp durante a sessão ordinária da Câmara Municipal desta terça-feira (12). O tema principal foi o cancelamento das obras de saneamento básico em Maresias, na Costa Sul de São Sebastião.

A Sabesp anunciou na semana passada, durante reunião em São Paulo, que suspendeu o cronograma da obra, anteriormente prevista para começar no segundo semestre deste ano. O corte no investimento foi motivo para subir o tom das discussões no plenário.

Tudo começou com a discussão de um requerimento, de autoria do vereador Gleivison Gaspar, o Professor Gleivison (PMDB), que requer à Sabesp explicações sobre a suspensão das obras. O detalhe é que a cobrança fez com que unissem forças justamente o vereador de situação Ernane Primazzi, o Ernaninho (PSC), e o de oposição, o Professor Gleivison.

“O PSDB deixa a desejar no Litoral Norte e só pensa na ampliação do Porto. A Sabesp sempre deu problema na cidade e já que não se preocupa, podemos rever o contrato de concessão”, comentou Ernaninho. Direcionado ao governador, o Professor Gleivison também aumentou o tom de críticas. “Sou crítico contumaz do governador, pois ele é cínico. Ele nega o problema da falta de água, ele nega a greve dos professores, ele nega problemas de segurança pública. O que de bom o Governo do Estado fez para o Litoral Norte? Posar em foto com o campeão mundial Gabriel Medina, ele faz. Mas nem sabe que cortou verba para saneamento na praia onde vive o surfista”, questionou.

Já o vereador José Reis (PSB) disse que a Sabesp tem um único foco a partir de agora. “Tivemos informações que a Sabesp está voltada para a água não acabar no Estado de São Paulo e que os investimentos em esgoto estão suspensos. Sem esgoto, nossas praias vão acabar”, opinou.

Ao final, o requerimento foi aprovado e os vereadores acataram uma sugestão dada pelo vereador Marco Fuly (PP), que propõe a criação de uma comissão para cobrar em São Paulo explicações do Governo do Estado sobre o corte dos investimentos. Procurada, a Sabesp não quis se manifestar sobre o assunto.

A obra do sistema de esgotamento sanitário na praia de Maresias, que está paralisada, tem como objetivo a construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) dimensionada para realizar a coleta e tratamento de 245 mil litros de esgoto por hora, nove estações elevatórias e 30 quilômetros de rede. A obra tem um valor aproximado de R$ 21 milhões.

Prefeitura
Segundo a Prefeitura, não há mais verbas disponíveis no Governo do Estado para o empreendimento - e a prioridade atual da Sabesp é o fornecimento de água.

E como retaliação, a Prefeitura informou que irá reavaliar a possibilidade de assinar ou não o contrato de concessão com a Sabesp.


Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário