Recém-nascida abandonada: Laudo pode desmentir versão da mãe

Exame necroscópico aponta que bebê não tinha marcas de violência; gari que a encontrou é demitida
Terreno baldio onde bebê foi encontrada (Foto: Google Street View/Reprodução)

Por Mara Cirino

O laudo necroscópico realizado na recém-nascida encontrada morta em um terreno baldio localizado no Porto Grande, região central de São Sebastião, no último dia 9, aponta que ela não foi vítima de violência e não foi asfixiada. A Polícia Civil aguarda o resultado da perícia, mas as informações iniciais mostram que ela teria morrido de hipotermia.

De acordo com o delegado titular da Delegacia Central, José Lamartine Fagundes, o primeiro laudo mostra que a bebê era uma criança saudável. A mãe, T.R.S., 22 anos, vai responder por abandono de incapaz. Ela foi presa horas depois do encontro da bebê pela gari Adriana Aparecida Marroco e justificou que seguia para a casa de seu companheiro quando percebeu que a pequena teria tido uma crise convulsiva e parado de respirar.
Disse ainda que a havia deixando em um banco na pracinha do bairro e não sabe como ela foi parar no terreno baldio.

Conforme Lamartine Fagundes, só foi possível chegar à mãe após uma denúncia anônima. “Já havíamos ido ao hospital (de Clínicas de São Sebastião), que nos passou o nome de todas as parturientes daquele dia, mas o da mãe não estava lá. Até que recebemos a denúncia”.

Diante disso, a equipe de investigadores da Delegacia foi até a casa da mulher, no Canto do Mar, na região norte, mas ela não foi localizada. No local, eles foram informados sobre onde ela trabalhava e quando os policiais chegaram, a mãe foi logo confirmando que havia abandonado a recém-nascida, mas mantendo a versão que ela estava morta.

O companheiro da acusada também foi ouvido, e teria contado à polícia que não sabia do ocorrido até ser informado pela mulher. A Polícia Civil também contou que familiares da suspeita explicaram que não sabia que ela estava grávida.

Um inquérito policial foi instaurado para apurar as circunstâncias da morte da bebê, uma vez que ela teria sido deixada no local na sexta-feira (8) cedo e foi localizada só na manhã de sábado. A mãe vai responder em liberdade.

Demissão
Adriana foi demitida após achar a bebê (Foto: Divulgação)
O que chama a atenção neste caso, além da morte da recém-nascida, é que a gari que a encontrou no terreno baldio foi demitida dias depois pela Ecopav, empresa responsável pela coleta de lixo e limpeza das ruas no município.

“Eles (empresa) alegaram que era por corte, mas enquanto me demitiam teriam contratado mais três pessoas”. Disse ainda que a justificativa que ouviu foi essa, mas ao mesmo tempo que era porque teria dado entrevista quando do encontro da bebê.

Mãe de três filhos, de 20, 14 e 12 anos, ela diz que “Deus está comigo e vou encontrar outro emprego”.

Corte
Em nota oficial, a diretoria da empresa Ecopav informou que a demissão da varredora, Adriana Aparecida Marroco, nada tem a ver com o episódio da recém-nascida encontrada morta na última semana.

“A empresa já havia planejado ajustes em seu quadro funcional e aguardava tão somente o período legal para que as medidas fossem aplicadas”, diz a empresa e acrescenta que a referida funcionária não foi a única a ser dispensada da empresa na ocasião e que todos os direitos trabalhistas estão assegurados.

A Ecopav ressalta também que é dever da empresa e direito do funcionário que as tratativas da dispensa sigam de forma sigilosa com intuito, único e exclusivo, de não expor o trabalhador.


Compartilhe no Google+
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário